Educação financeira é chave para acesso ao crédito rural

Voltar para Histórias de Impacto

Organização, planejamento e boa relação com as instituições financeiras são alguns dos segredos para facilitar o caminho até o crédito rural. Esses pontos comuns foram levantados por organizações que tiveram boas experiências para conseguir esse auxílio e estiveram reunidas durante o seminário online “Crédito rural: desafios e oportunidades para a agricultura e extrativismo sustentáveis”, realizado na última quarta-feira (22) pela Conexsus.

Com moderação do Coordenador de Soluções em Crédito Rural da Conexsus, João Luiz Guadagnin, os convidados falaram sobre os principais desafios que enfrentam para acessar o crédito, entre eles o deslocamento até os bancos e a contabilidade gerencial especializada para cooperativas. Representantes do Banco da Amazônia (BASA), da cooperativa de crédito Cresol e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) também participaram, contando o que as instituições têm feito para melhorar as condições para esse público.

Carlos Oliveira, Presidente da Sementes do Marajó (PA), apresentou as especificidades de sua região, ressaltando que muitas comunidades são localizadas em regiões de difícil acesso, o que aumenta as dificuldades de logística e comunicação. “Tem que ter muita coragem e dedicação para fazer um trabalho desses evoluir”, contou. Mesmo assim, a cooperativa teve uma experiência exitosa, com o auxílio do Basa, e sua fala foi dedicada à contar detalhes desse processo. Ele ressaltou que a documentação também foi um desafio e que a Conexsus foi uma grande parceira para ajudá-los na estruturação do seu plano.

A falta de organização financeira em alguns casos acaba aumentando a inadimplência. “Às vezes o problema não está no crédito, mas sim no fato de que não podemos passar por cima da regulamentação”, explicou o Gerente Executivo de Pessoas Físicas do BASA, Luiz de Souza Neto. Segundo ele, as instituições têm buscado junto com as cooperativas soluções para desburocratizar os processos, chegando a mais lugares da Amazônia. A tecnologia, nesse ponto, também tem sido parceira.

Algumas cooperativas ainda têm relação tumultuada com os agentes financeiros. Era o caso da Cooperativa dos Produtores Orgânicos da Reforma Agrária de Viamão (COPERAV), no Rio Grande do Sul. Seu diretor comercial, Huli Zang, contou um pouco sobre como a falta de garantias dificulta a situação financeira de seus associados. No entanto, alguns editais específicos tem os ajudado a conseguir recursos para comprar máquinas, possibilitando saltos na produção. Ele destacou que a instalação de uma unidade da Cresol e a parceria com a Conexsus têm sido fundamental para que a COPERAV consiga créditos de custeio, ainda mais fundamentais nesse momento.

Nesse sentido, o Vice-Presidente do Conselho de Administração da Cresol, Gelson Ferrari, destacou que a proximidade que a instituição procura ter com os assentados é de extrema importância para que as especificidades de quem trabalha em áreas públicas não inviabilize as operações. “Alguns bancos tradicionais nem acolhem esses pedidos. É preciso ter um olhar mais clínico e buscar parcerias para torná-los possíveis.”

O Diretor Executivo da IG Cacau Sul da Bahia (BA), Cristiano Sant’Ana, foi outro convidado do webinário e contou que, por lá, eles escolheram alguns agricultores para iniciar operações e construir uma boa relação com os bancos. “Por conta da nossa história, o produtor tem medo da instituição financeira que, do seu lado, não confia em operações sem garantia de segurança.” Ele destacou que uma parceria com o Instituto Arapyaú, Humanize e Conexsus tem sido fundamental para formar uma rede de cooperação de instrução e cooperativas, fortalecendo esses negócios e tornando-os mais aptos a pleitearem algum crédito.

Simplificar processos pode ajudar

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) foi um dos destaques da fala do Coordenador Geral de Crédito à Agricultura Familiar do MAPA, José Henrique da Silva. Ele explicou que o órgão está discutindo medidas para simplificar o processo, retirando tudo o que não é essencial, sem perder a garantia de segurança do crédito. “Uma pequena pedra que retiramos, acaba abrindo o caminho para outros agricultores”. Ele também falou sobre as expectativas para o novo plano Safra, que deve ser lançado nos próximos dias. “Certamente essa união de esforços, capitaneada por pessoas conhecedoras do assunto, é importante porque a gente vai conseguir melhorar o fluxo e destravar ainda mais questões que impedem o crédito.”

A diretora da Conexsus, Carina Pimenta, também participou do webinário, destacando o papel da instituição nas negociações entre cooperativas e bancos e também na assessoria para ajudar na educação financeira das associações. Ela falou ainda sobre os critérios para acessar a linha de crédito da Conexsus, que continua com inscrições abertas e recebe propostas até o dia 31 de agosto. “Nosso objetivo é criar condições para que elas consigam acessar o crédito rural e sair melhores desse período difícil”, explicou.

Quem concluiu o debate foi o moderador: “que as pessoas tanto dos bancos quanto das associações dialoguem mais. Quando as pessoas se ajudam, a gente supera os problemas.” O webinário está disponível na íntegra no canal da Conexsus no YouTube.

Encontro foi o terceiro de série do Plano de Resposta

Este webinário foi o terceiro de uma série de seminários online realizados pela Conexsus, em parceria com a União Nacional de Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária (Unicafes), o Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS) e o Fundo Vale, como parte do Plano de Resposta Socioambiental à Covid-19. As ações contam também com o apoio da rede de supermercados Pão de Açúcar, por meio do Instituto GPA, da Fundação Arymax, Fundação Good Energies, CLUA e Instituto Humanize.