Cerrado recebe ciclo de desenvolvimento de negócios comunitários da Conexsus

Voltar para Histórias de Impacto

Organizações do Tocantins, Maranhão, Minas Gerais e Distrito Federal serão beneficiadas pela inciativa

Segundo maior bioma do Brasil e uma das formações vegetais com maior biodiversidade no mundo, o Cerrado é também hoje um dos ecossistemas mais ameaçados do país. A monocultura intensiva de grãos e a pecuária extensiva de baixa tecnologia estão entre as principais ameaças à sua biodiversidade.

Buscando mudar esse cenário, ao fortalecer alternativas de desenvolvimento para os negócios comunitários da agricultura familiar e do extrativismo do Cerrado, a partir do uso de práticas produtivas sustentáveis, como a produção orgânica e agroecológica, a Conexsus iniciou em dezembro um ciclo de desenvolvimento de negócios comunitários na região.

Em parceria com o WWF-Brasil, Central do Cerrado e Núcleo do Pequi, a iniciativa terá duração de 12 meses, e irá beneficiar simultaneamente 11 organizações dos estados do Tocantins, Maranhão e Minas Gerais e do Distrito Federal. São elas:

• Associação dos Usuários da Sub-Bacia do Rio dos Cochos – ASSUSBAC (Januária/MG);
• Cooperativa Regional Agroextrativista Mulheres do Cerrado (São João da Ponte/MG);
• Núcleo Gestor da Cadeia Produtiva do Pequi e Outros Frutos do Cerrado (Montes Claros/MG);
• Associação dos Pequenos Produtores e Agricultores Familiares Rurais de Agreste – Sabores do Agreste (Januária/MG);
• Associação Comunitária Quilombola dos Extrativistas Artesão e Pequenos Produtores do Povoado do Prata (São Félix do Tocantins/TO);
• Cooperativa dos Assentados Beneficiadores e Agricult. Familiares e Agroextrat. de Produtos do Cerrado de Mirabela – Coopermira do Cerrado (Mirabela/MG);
• Cooperativa Central do Cerrado (Brasília/DF);
• Associação de Salto de Coração de Jesus – Delícias de Salto (Coração de Jesus/MG);
• Associação Comunitária dos Artesãos e Pequenos Produtores de Mateiros – ACAPPM (Mateiros/TO);
• Associação Capim Dourado do Povoado de Mumbuca (Mateiros/TO);
• Cooperativa Babaçu Livre (Lago do Junco/MA).

“São organizações atuantes, que possuem potencial para se desenvolver e participar de forma mais efetiva e justa em suas cadeias, gerando renda e desenvolvimento para as suas comunidades e impacto positivo no Cerrado”, afirma Monika Roper, Coordenadora de Desenvolvimento de Negócios Comunitários da Conexsus.

Entre dezembro e janeiro, essas organizações participam de sete encontros virtuais imersivos de modelagem facilitados pela Social Brasilis, negócio social que desenvolve programas educacionais mediados por plataformas virtuais de aprendizagem.

Ao final dos dois meses de oficinas, cada organização terá construído um plano de ação, a partir da ferramenta de planejamento estratégico Canvas, que servirá como um mapa seguro para direcionar o fortalecimento de seus modelos de negócio. E terá o acompanhamento de ativadores de negócio locais da Conexsus que irão assessorar na implantação do planejamento pelos próximos 10 meses.

A iniciativa conta com o financiamento do UK PACT, programa de capacitação da carteira de Financiamento do Clima Internacional (ICF, na sigla em inglês) do Reino Unido, que visa desacelerar o avanço das mudanças climáticas e reduzir a pobreza.