Conexsus fortalece a governança com nova diretoria e Conselho Deliberativo

Voltar para Histórias de Impacto

A nova diretoria da Conexsus é totalmente composta por mulheres, uma raridade tanto no setor corporativo quando no meio socioambiental. A escolha foi feita durante a última Assembleia Geral da organização, quando também foi empossado o primeiro Conselho Deliberativo.

Na nova composição, Carina Pimenta, uma das fundadoras da Conexsus, deixa a posição de diretora de Operações e assume a Diretoria Executiva. Ela será acompanhada na nova gestão por Andrea Azevedo, que assume a Diretoria de Desenvolvimento Institucional, e Cíntia Andrade, que permanece como diretora Administrativo-Financeira.

Carina trabalha com negócios sociais e sustentáveis desde 2006, dedicando-se a criar novos arranjos para o investimento privado na agenda climática e estratégias de ampliação de resultados socioambientais. É mestre em Desenvolvimento Social pela Universidade de Sussex.

Andrea tem mais de quinze anos de atuação em projetos de sustentabilidade, transformação social e desenvolvimento institucional, com intensa atuação na Amazônia. Ela é mestre em Economia Ambiental e doutora em Desenvolvimento Sustentável, com enfoque na gestão e política ambiental.

Cíntia trabalha com gestão administrativa e financeira e governança para o terceiro há mais de dez anos. Tem MBA em Finanças pelo Ibmec. Juntas, as três compõem o Corpo Diretivo da Conexsus.

Outra novidade é a consolidação do braço internacional, com uma base nos Estados Unidos, onde Marina Campos representa a Conexsus como diretora de Parcerias Internacionais. Mais conhecida como Maitê, ela tem mais de 20 anos de experiência com filantropia, finanças da conservação e estratégias para promover mudanças sociais e desenvolvimento sustentável na América Latina, especialmente na Amazônia.

 

 

Conselho Deliberativo

A Assembleia Geral, realizada em 28 de fevereiro, encerrou um intenso ciclo de reflexão e aprimoramento sobre a governança da Conexsus, com a atualização e aprovação de seu novo Estatuto Social.

Dentre as medidas para fortalecer a transparência e apoiar a realização da visão estratégica da Conexsus, está a implementação de um Conselho Deliberativo. Valmir Ortega, também fundador, deixa a direção Executiva e assume a Presidência do Conselho. Completam o novo órgão social os conselheiros Fabio Rubio Scarano e Marco van der Ree.

Valmir Ortega é geógrafo trabalha nos últimos anos se dedica a iniciativas e projetos para promoção de cadeias produtivas sustentáveis. Atualmente é diretor executivo da Impacto PLUS e fundador da Belterra Agroflorestas.

Fábio Scarano é Ph.D em Ecologia e professor da UFRJ. Desde 2015 ele coordena a Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos.

Marco van der Ree é mestre em Relações Internacionais e diretor de captação de recursos do Global Report Iniciative (GRI) na Holanda.

Resultados

A Conexsus é uma organização jovem que, nos dois últimos anos, esteve imersa no Desafio Conexsus. Fruto desta dedicação, a organização atingiu, contando com apoio de uma ampla rede de organizações parceiras, resultados relevantes para o desenvolvimento do ecossistema de negócios comunitários.

Nesses dois anos, mais de 1.040 negócios comunitários e florestais foram mapeados e mais de 60 deles receberam assessoria para o desenvolvimento rentável do seu negócio, incluindo 21 cooperativas e associações aceleradas. A organização deu assistência para facilitação de acesso ao crédito para mais de 30 negócios comunitários, em uma parceria inovadora com o Banco da Amazônia.

Com o movimento Negócios pela Terra, desenhado para facilitar e ampliar a participação no mercado de produtos oriundos de negócios comunitários, mais de 20 parcerias comerciais estão em andamento.

Somado a uma interpretação de cenários, contexto e oportunidades, estes resultados serviram como norteadores estratégicos para o próximo ciclo de atuação. O desafio que a Conexsus se propõe é acelerar e estruturar um ecossistema de impacto que crie resiliência financeira e ajude a mudar a realidade dos negócios de base comunitária, reduzir a pobreza rural e conservar florestas e outros biomas naturais.